Capítulo 5


Fanfic: Uma Nova Esperança

Cap 5

“Eu achava que não seria capaz de rir tanto fora da presença do Yuki…Acho que me enganei”

Machi estava na entrada de sua casa quando divagou. Ela lembrou que com a mudança de Yuki, lhe veio também um Yuki engraçado, com piadas inteligentes e a garota achava muito divertido. Foi uma mudança que só trouxe melhoras. Tanto pra ele quanto pra ela.

Machi deixa de divagar entre lembranças e pensamentos e abre a porta. Entra e joga sua chave e mochila em qualquer lugar. Sua casa estava mais arrumada, mesmo encontrando alguns objetos jogados e montinhos de roupa em um canto do quarto, mas nada comparável ao que era antes. Cansada, a garota se deita na cama, olha pro teto e pensa:

“No fim, ela mora no prédio em frente ao meu e também mora sozinha. Só falta ela ter problemas familiares pra se tornar o cúmulo da coincidência…”

Quando Machi terminou seu pensamento sobre a garota que conheceu, foi surpreendida pelo telefone e rapidamente atende

–         Alô?

–         Oi Machi, Tudo bem???

–         Oi Yuki! Tudo sim, e você?

–         Um pouco nervoso com o começo das aulas, mesmo elas sendo daqui um tempinho, mas sei que dará tudo certo! E como foram essas primeira semana de aulas?

–         Foi anunciado os representantes do Grêmio e se quer saber, não fiquei nem um pouco surpresa!

–         Duvido que você não ficou surpresa com a Kimine.

–         …Não! – Claro que era mentira – Por que ficaria?? E você a conhece tanto pra dizer isso com tanta veemência?

–         Ela é uma boa pessoa, eu só sei disso. Na verdade eu só conversei com ela umas 3 ou 4 vezes… Está com ciúmes por acaso?

–         Claro que não – Machi põe sua mão no rosto, mostrando um pouco de indignação, mas acaba se divertindo com o comentário do “Rato” –  Ela veio conversar comigo hoje, acabei conhecendo ela mais do que eu queria… Ela é estranha, mas não posso dizer que é má pessoa…

–         Olhaaaa!!  Será que a força da amizade está começando a aparecer em você, Machi? Hahaha, boa sorte! Acho que se darão bem, mesmo que a escola não a vê com bons olhos.

–         Não me venha com piadinhas, já me basta o Manabe!! Ah sim, estava quase me esquecendo, deixa eu lhe agradecer pelo car…

–         Não precisa! Você e o Nao já sabem o serviço, serão extremamente competentes, assim como eram antes. Desejo outro boa sorte! E Não vou ficar brincando com sua cara, mas é bom ver que você está se interessando em fazer amigos. Fico contente por você, tá?

Machi totalmente sem jeito, sem saber o que falar, acaba respondendo:

–         Okey, estou vendo que você não tirará isso da cabeça…Então eu só posso responder obrigada…Seu malvado! Mudando de assunto, como está sua casa?- Machi logo pensa em mudar de assunto pra não se complicar mais.

–         Está uma zona ainda, estou arrumando aos poucos.

Yuki ouve a campainha tocar e responde para Machi:

–         Falando nisso, chegou os carpinteiros pra fazer uns armários aqui na cozinha. Tenho que ir, outro dia te ligo!

–         Tudo bem! Tchau!

–         Beijo! – Antes de falar a próxima palavra, Yuki dá um sorrisinho – Machi?

–         Sim?

Uma pausa acontece, Yuki, como o mesmo sorriso, responde:

–         Te amo! … Ficou vermelha né?

–         Seu…Tchau pra você também!

Machi desliga o telefone e como o Yuki falou, ela ficou vermelha, muito vermelha. Foi a primeira vez que o Yuki fala isso, mesmo estando juntos há um tempo. Pra ela foi totalmente inesperado, mas também deu pra notar que ela ficou feliz com as palavras.

**

Já passava das  nove horas da noite e Machi estava fazendo seu dever de casa. Já havia jantado, tomado banho, só faltava a tarefa para depois dormir. Era normal ela dormir cedo, afinal, acordava cedo. Ela preferia se deitar logo depois das dez da noite, pra poder descansar bastante.

Enfim terminou a tarefa. Então guardou os materiais da escola na mochila, foi lavar as mãos e tomar um copo d’água. Ao voltar, apenas colocou o relógio pra despertar. Deu uma última olhada no horário: 22:30h em ponto. Desligou a luz e deitou.

Cerca de 1h depois, Machi é acordada pelo som do interfone. Ela tenta se levantar, mas como está sonolenta, demora demais pra tentar atendê-lo. Machi pensa em apenas uma hipótese: Manabe.

“Se for o Manabe, eu juro que deixo um olho roxo nele”

Como o tempo passa, obviamente o interfone parou, e Machi desiste de tudo, apaga as luzes da cozinha e sala que ela acabou acendendo e volta pro quarto. Menos de 5 minutos depois, Machi é acordada novamente, mas dessa vez é a campainha da casa. Machi suspira e vai atender a porta.

Ela entrou em choque quando viu Kimine do outro lado da porta.


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s